ClickMacaé.com.br
ClickMacaé.com.br

» A Bacia de Campos

» Petróleo e Gás

» Sobre o Petróleo> A Atividade Offshore no Brasil> A Bacia de Campos em Números> A Distribuição> História do Petróleo> A História no Brasil> As Crises do Petróleo> As Plataformas da Bacia de Campos> As Reservas da Petrobras> Definições Técnicas> Lei do Petróleo> Licenciamento Ambiental> O Petróleo> O Refino> O Transporte

» Serviços> Classificados> Fornecedores Offshore

» Veja Também> Cursos> Sobre o Gás> Terminologias

» Empregos> Buscar Profissionais para Minha Empresa> Buscar Vaga de Emprego na Área

A Atividade Offshore no Brasil

Histórico da atividade offshore no Brasil

As primeiras atividades: Bacias do Nordeste



A exploração de petróleo em reservatórios situados na área offshore no Brasil iniciou-se em 1968, na Bacia de Sergipe, campo de Guaricema, situado em lâmina d’água de cerca de 30 metros na costa do estado de Sergipe, na região Nordeste.



Para o desenvolvimento na bacia de Sergipe aplicaram-se as técnicas convencionais da época para campos de médio portes: plataformas fixas de aço, cravadas através de estacas, projetadas somente para produção e teste de poços, interligados por uma rede de dutos multifásicos. Todo o complexo era ligado, também, por duto multifásico, a uma estação de separação e tratamento de fluidos produzidos localizada em terra.

As primeiras plataformas, principalmente as instaladas nos campos de Guaricema, Caioba, Camorim e Dourado, eram, com pequenas variações, do tipo padrão de quatro pernas, convés duplo, guias para até seis poços, sistema de teste de poços e de segurança. A perfuração e a completação dos poços eram executadas por plataformas auto-elevatórias posicionadas junto à plataforma fixa. Posteriormente os projetos foram implementados e a perfuração dos poços passou a ser feita, também, por sondas moduladas instaladas diretamente no convés superior das plataformas e assistidas por navios tender.

Nos anos seguintes, com o aumento da atividade, não só na costa de Sergipe, mas também nas de Alagoas, Rio Grande do Norte e Ceará, a Petrobras decidiu desenvolver projetos próprios de plataformas que atendessem às características de desenvolvimento dos campos. Este esforço resultou em 3 projetos de plataformas fixas distintos, conhecidas como plataformas de 1a., 2a. e 3a. famílias.

A plataforma de 1a. família era similar às plataformas fixas iniciais desenhada para ter até 6 poços de produção e podiam ser instaladas em lâmina d’água de até 60 m; se necessário com um pequeno módulo para acomodação de pessoal.

A plataforma de 2a. família comportava a produção de até 9 poços, permitia a separação primária de fluidos produzidos, sistema de transferência de óleo, sistema de teste de poços, sistema de segurança e um sistema de utilidades. Era uma com acomodações de pessoal.

As plataformas de 3a. família tinham a concepção mais complexa. Permitiam a perfuração e completação de até 15 poços e as facilidades de produção podiam conter uma planta de processo completa (teste, separação, tratamento e transferência de fluidos), sistema de compressão de gás, sistema de recuperação secundária, sistemas de segurança e de utilidades e acomodação de pessoal. As plataformas de 3a. família tinham concepção apropriada para atuarem como plataformas centrais.

As principais características das plataformas de 1a., 2a. e 3a. famílias são apresentadas na tabela desta página abaixo.

Características das Plataformas

ITEM

1a. FAMÍLIA

2a. FAMÍLIA

3a. FAMÍLIA

No. de pernas

4

4

8

Dimensões dos conveses

12m x 18m

26m x 29m

26m x 59m

Lâmina d’água

60m

60m

Política de Privacidade | Privacy policy | Publicidade | Contato

Desenvolvido pela SYS Computing