Click Macaé
ClickMacaé.com.br
ClickMacaé.com.br

» A Bacia de Campos

» O Cenário Offshore

» Petróleo e Gás

» Empregos

» Cursos> Fornecedores Offshore> Shopping

» Informações> História do Petróleo> A História no Brasil> A Atividade Offshore no Brasil> As Crises do Petróleo> As Plataformas da Bacia de Campos> A Bacia de Campos em Números> As Reservas da Petrobras> Lei do Petróleo> Licenciamento Ambiental> Marco Regulatório> Petrobras no mundo> Pré-sal> Sobre o Petróleo> Sobre o Gás

» Empregos> Buscar Profissionais para Minha Empresa> Buscar Vaga de Emprego na Área

» Glossário> Terminologia Naval> Terminologia Offshore> Terminologia Offshore Comercial> Glossário e Abreviações

Sampling Treinamentos Curso 24 Horas

Marinha permite que Petrobras retome operação de plataforma em Marlim Sul

14 de fevereiro de 2017

A Marinha do Brasil autorizou na manhã de segunda-feira, 13/02, a Petrobras a retomar a operação da plataforma P-40, no campo de Marlim Sul, na Bacia de Campos, após ter sido interditada por uma inspeção no último dia 9, informou a petroleira em nota à Reuters.

A plataforma passava por uma manutenção programada quando recebeu a inspeção de representantes da Marinha.

"A Marinha havia determinado que as atividades de manutenção das instalações não fossem realizadas enquanto a plataforma operava", disse a empresa, destacando que cumpriu as recomendações da Marinha e, após nova vistoria, a plataforma foi liberada para o retorno das operações.

A Petrobras, entretanto, não detalhou os possíveis impactos à produção.

A P-40 produziu em dezembro média diária de 79,441 mil barris de petróleo e 1,180 milhão de metros cúbicos de gás natural, segundo os dados mais atuais publicados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

O diretor de comunicação do Sindipetro Norte Fluminense (Sindipetro-NF), Tezeu Bezerra, afirmou que a auditoria da Marinha ocorreu devido a denúncias feitas pelo sindicato, que se preocupa com a redução do efetivo, após programas recentes da empresa de demissão voluntária, que estariam afetando as condições de segurança.

Dentre as denúncias feitas pelo sindicato à Marinha estava o descarte de água oleosa no mar fora dos padrões, causando poluição. O sindicalista, que não teve acesso ao relatório da auditoria, destacou que interdições somente são feitas quando há real risco de acidentes.

"O baixo efetivo é realmente um problema gravíssimo, estamos vendo a hora de isso realmente causar um acidente mais grave, estão querendo reduzir ainda mais o efetivo, e isso tudo coloca a vida de todo mundo em risco", disse Bezerra à Reuters.

Na nota, a Petrobras afirmou que "reitera o seu compromisso com a segurança dos trabalhadores e a preservação do meio ambiente e de suas instalações".

Fonte: Reuters

Últimas Notícias
» Total adquire negócio de petróleo e gás da Maersk por US$ 7,5 bilhões
» Petrobras pode receber até US$ 15 bi por cessão onerosa, diz ex-ANP
» Leilões do pré-sal vão oferecer reservas de 2,5 bilhões barris
» Brasil: Decolagem autorizada
» O pré-sal está aberto ao capital estrangeiro. Entenda o que muda
» Renovação de benefícios favorece investimento no setor de petróleo
» Os custos do longo ajuste da Petrobras
» ANP confirma empenho para reaquecimento da indústria do petróleo
» Menos royalties, mais empregos: Petrobras apoia campanha da cidade de Macaé
» Apesar da retração, indústria naval dá sinais de recuperação
veja mais notícias »

Fornecedores
Fornecedores - Para consultar ou anunciar, clique aqui, de R$240,00 por apenas R$99,90 ao ano, e disponibilize informações sobre seus produtos e serviços para o maior mercado de Petróleo e Gas do país: a Bacia de Campos.

Siga as últimas novidades do ClickMacaé diretamente no TwitterSiga as últimas novidades do ClickMacaé diretamente no Twitter.


Curta nossa página no Facebook

Política de Privacidade | Privacy policy | Publicidade | ContatoDesenvolvido pela SYS Computing