Click Macaé
ClickMacaé.com.br
ClickMacaé.com.br

» A Bacia de Campos

» O Cenário Offshore

» Petróleo e Gás

» Empregos

» Cursos> Fornecedores Offshore> Shopping

» Informações> História do Petróleo> A História no Brasil> A Atividade Offshore no Brasil> As Crises do Petróleo> As Plataformas da Bacia de Campos> A Bacia de Campos em Números> As Reservas da Petrobras> Lei do Petróleo> Licenciamento Ambiental> Marco Regulatório> Petrobras no mundo> Pré-sal> Sobre o Petróleo> Sobre o Gás

» Empregos> Buscar Profissionais para Minha Empresa> Buscar Vaga de Emprego na Área

» Glossário> Terminologia Naval> Terminologia Offshore> Terminologia Offshore Comercial> Glossário e Abreviações

Sampling Treinamentos Curso 24 Horas

Justiça suspende venda de área do pré-sal pela Petrobras à Statoil, diz FNP

18 de abril de 2017

Venda no valor de US$1,25 bilhão foi anunciada em julho de 2016 como parte do plano de redução de endividamento da estatal; FNP acusa Petrobras de realizar venda sem licitação.

A 2ª Vara Federal de Sergipe suspendeu nesta segunda-feira (17) a venda feita pela Petrobras de 66% da participação do bloco BM-S-8, onde está o prospecto de Carcará, na Bacia de Santos, à petroleira norueguesa Statoil, afirmou em nota a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), responsável pela ação.

A operação, anunciada em julho, foi concluída em novembro com o pagamento de US$ 1,25 bilhão, correspondente a 50% do valor total da transação.

Estava previsto que o restante do valor para a compra do ativo seria pago por meio de parcelas relacionadas a eventos subsequentes, como, por exemplo, a celebração de um Acordo de Individualização da Produção (unitização).

A negociação com a Statoil marcou a venda, pela Petrobras, da primeira grande área do pré-sal incluída no plano de desinvestimentos da estatal, que visa colaborar com o programa de redução de endividamento da companhia.

Para obter a liminar, a FNP entrou com uma ação popular na Justiça Federal de Sergipe após o fechamento do negócio, por discordar da decisão da Petrobras de realizar a venda sem licitação.

"Como empresa mista, ela obrigatoriamente tem que fazer licitação para vender qualquer um de seus ativos. Caso contrário, a ação é caracterizada como ilegal ou até mesmo ato de 'lesa-pátria', uma vez que a venda traria prejuízos econômicos e ambientais imensuráveis para o Brasil", afirmou a FNP na nota.

A federação tem sido responsável por uma série de ações contra o plano de vendas de ativos da Petrobras.

Procurada, a Petrobras não respondeu imediatamente ao pedido de comentário. Mas a petroleira brasileira tem informado repetidamente que está tomando as medidas judiciais cabíveis para levar adiante a sua estratégia de venda de ativos.

Já a Statoil afirmou que não foi notificada oficialmente, por isso não comentará o assunto.

Fonte: O Globo

Últimas Notícias
» Bolsas avançam impulsionadas por resultados de empresas de energia e automotivas
» Wilson Sons Estaleiros entrega rebocador SST Aimoré
» Petrobras paralisa uma unidade de hidrotratamento do diesel S-10 da Replan
» Chevron e ExxonMobil sugerem mudanças em edital de rodadas do pré-sal
» Prumo prevê começar construção de térmica no Açu no início de 2018, diz CEO
» CNPE altera oferta de áreas nas licitações de blocos de petróleo em 2018 e 2019
» OTC Brasil: comitê discute retomada e o petróleo como grande caminho
» Demanda global por petróleo pode atingir pico em 2024, diz Goldman Sachs
» Estaleiro Atlântico Sul espera obter carência de dívida para ganhar fôlego financeiro
» Porto do Açu assina contrato de parceria com Porto de Antuérpia Internacional
veja mais notícias »

Fornecedores
Fornecedores - Para consultar ou anunciar, clique aqui, de R$240,00 por apenas R$99,90 ao ano, e disponibilize informações sobre seus produtos e serviços para o maior mercado de Petróleo e Gas do país: a Bacia de Campos.

Siga as últimas novidades do ClickMacaé diretamente no TwitterSiga as últimas novidades do ClickMacaé diretamente no Twitter.


Curta nossa página no Facebook

Política de Privacidade | Privacy policy | Publicidade | ContatoDesenvolvido pela SYS Computing