Click Macaé
ClickMacaé.com.br
ClickMacaé.com.br

» A Bacia de Campos

» O Cenário Offshore

» Petróleo e Gás

» Empregos

» Cursos> Fornecedores Offshore> Shopping

» Informações> História do Petróleo> A História no Brasil> A Atividade Offshore no Brasil> As Crises do Petróleo> As Plataformas da Bacia de Campos> A Bacia de Campos em Números> As Reservas da Petrobras> Lei do Petróleo> Licenciamento Ambiental> Marco Regulatório> Petrobras no mundo> Pré-sal> Sobre o Petróleo> Sobre o Gás

» Empregos> Buscar Profissionais para Minha Empresa> Buscar Vaga de Emprego na Área

» Glossário> Terminologia Naval> Terminologia Offshore> Terminologia Offshore Comercial> Glossário e Abreviações

Sampling Treinamentos Curso 24 Horas

CEO da Petrobras diz que custo de extração do pré-sal é de US$8/barril

9 de agosto de 2017

Os custos de extração do petróleo do pré-sal estão em 8 dólares por barril, disse na terça-feira, 8/8, o presidente da Petrobras, Pedro Parente, durante evento em São Paulo.

"O pré-sal, hoje, tem um custo de extração de 8 dólares por barril. O problema foi a demora em explorar o pré-sal", disse o executivo, sem elaborar.

Até pouco tempo atrás, a Petrobras obrigatoriamente deveria ser a operadora de blocos do pré-sal, o que limitou a atuação de outras empresas e consequentemente a exploração.

De qualquer forma, com pesados investimentos principalmente da Petrobras nos últimos anos, a produção do pré-sal no país superou a do pós-sal em junho, informou a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) ao final de julho.

Parente afirmou ainda que a prática de uma nova política de preços de gasolina e diesel por um período prolongado, com reajustes quase que diários nas refinarias pela Petrobras, reduzirá a chance de as cotações ficarem abaixo da paridade internacional.

Contudo, a Petrobras está vendendo gasolina no Brasil a valores muito próximos aos adotados no Golfo do México, flertando com os patamares da paridade de importação ao reduzir suas margens, em uma nova estratégia mais agressiva para reconquistar participação no mercado doméstico, segundo analistas consultados pela Reuters.

A venda desses combustíveis por valores inferiores aos da paridade é prática proibida pela política da Petrobras.

A partir do mês passado, a estatal passou a fazer ajustes quase que diários para recuperar vendas perdidas desde que uma política implantada em outubro de 2016 mostrou-se incapaz de estabelecer negócios lucrativos sem abrir espaço para concorrentes, que ganharam mercado no país importando derivados baratos.

Sobre o consumo internacional de petróleo, Parente disse que o pico da demanda deverá ocorrer nos próximos anos e, depois, entrar em trajetória de queda.

"Sabe-se que, em algum momento, o consumo de petróleo e de seus derivados atingirá um pico. E os estudos dizem que esse pico ocorreria após 2040, mas agora já começaram a aparecer outros estudos mostrando que isso pode ocorrer em 2025", afirmou ele, em referência a veículos mais eficientes ou mesmo movidos a eletricidade.

Apesar disso, Parente reafirmou que, nos próximos cinco anos, os investimentos da companhia continuarão voltados para a exploração do óleo, apesar da pressão exercida pela oferta, principalmente do chamado "shale gas", a produção não convencional dos EUA que tem inundado o mercado.

GOVERNANÇA

As alterações na gestão corporativa da Petrobras são fundamentais para que a estatal “possa evitar os problemas do passado” e alcançar o reconhecimento financeiro do mercado, disse Parente.

Parente ainda destacou que, atualmente, os processos seletivos para cargos de liderança são “transparentes”, que os conselheiros são independentes e que não há “decisão, obra ou contrato com uma única assinatura”. “Tudo passa por diversos comitês”, resumiu.

Os reflexos dessas alterações na governança corporativa começam a aparecer. De acordo com ele, há um ano 6 por cento dos analistas recomendavam a compra de ações da Petrobras na bolsa, número que saltou para 75 por cento agora.

Sobre uma eventual privatização da estatal, Parente comentou que “neste momento, na minha visão, entendo que a sociedade brasileira não está preparada”.

Fonte: Extra Reuters

Últimas Notícias
» Moody’s melhora classificação de risco da Petrobras
» PetroRio pede à ANP redução de royalties pagos sobre o campo de Polvo
» Wilson Sons Estaleiros entrega rebocador SST-Aruá
» Macaé vai participar da Olimpíada Brasileira de Robótica
» Petrobras frusta 19 empresas e não revela preços da licitação de manutenção de 25 plataformas
» Leilões do pré-sal vão gerar mais de R$ 100 bilhões em investimentos e 500 mil empregos
» ACIM Macaé homenageia empresário com Medalha Lacerda Agostinho
» STJ encerra conflito entre ANP e Petrobras
» Consumo mundial de petróleo vai crescer em 2018
» Petrobras diz que tomará medidas judiciais para manter venda de ativos à Total
veja mais notícias »

Fornecedores
Fornecedores - Para consultar ou anunciar, clique aqui, de R$240,00 por apenas R$99,90 ao ano, e disponibilize informações sobre seus produtos e serviços para o maior mercado de Petróleo e Gas do país: a Bacia de Campos.

Siga as últimas novidades do ClickMacaé diretamente no TwitterSiga as últimas novidades do ClickMacaé diretamente no Twitter.


Curta nossa página no Facebook

Política de Privacidade | Privacy policy | Publicidade | ContatoDesenvolvido pela SYS Computing