Click Macaé
ClickMacaé.com.br
ClickMacaé.com.br

» A Bacia de Campos

» O Cenário Offshore

» Petróleo e Gás

» Empregos

» Cursos> Fornecedores Offshore> Shopping

» Informações> História do Petróleo> A História no Brasil> A Atividade Offshore no Brasil> As Crises do Petróleo> As Plataformas da Bacia de Campos> A Bacia de Campos em Números> As Reservas da Petrobras> Lei do Petróleo> Licenciamento Ambiental> Marco Regulatório> Petrobras no mundo> Pré-sal> Sobre o Petróleo> Sobre o Gás

» Empregos> Buscar Profissionais para Minha Empresa> Buscar Vaga de Emprego na Área

» Glossário> Terminologia Naval> Terminologia Offshore> Terminologia Offshore Comercial> Glossário e Abreviações

Sampling Treinamentos Curso 24 Horas

Petrobras tem 19 projetos atrasados devido a regras de conteúdo local

5 de outubro de 2017

A Petrobras participa de 19 projetos que estão atrasados devido a questões relacionadas às regras de conteúdo local. Entre eles estão: Libra 1, Libra 2, Libra 3, Sépia e Búzios. Em audiência pública sobre o tema na terça-feira (03/10) no Rio de Janeiro, o gerente executivo de Libra, Fernando Borges, disse que, se as novas regras já estivessem em vigor em 2015, fornecedores brasileiros estariam construindo partes da plataforma de Libra e Sépia desde 2016.

A estatal contratou 12 plataformas com estratégia de maximização de conteúdo local, mas os projetos têm enfrentado atrasos de dois a três anos. A Petrobras estima que as perdas para União poderiam chegar a R$ 85 bilhões até 2021, considerando royalties, participação especial, imposto de renda e contribuição social sobre o lucro líquido (CSLL). No entanto, o impacto para a companhia foi mitigado parcialmente pela contratação de seis plataformas afretadas com menor conteúdo local, além de envio de parte do escopo para o exterior.

Os projetos paralisados são o FPSO piloto de Libra e Sépia, no pré-sal da Bacia de Santos. O primeiro processo, em agosto de 2015, foi cancelado por preço excessivo de mais de 50%. A avaliação é que os percentuais de conteúdo local dele eram altos — a exigência média é acima de 60%. O segundo, em setembro de 2016, aguardava resposta do pedido de waiver (dispensa de conteúdo local) e teve percentuais considerados factíveis e em linha com casos de sucesso de outras plataformas do pré-sal.

Borges ressaltou que, antes de se falar de regras de conteúdo local, a Petrobras já tinha uma relação de parceria com a indústria nacional. A Petrobras entende que o incentivo a produtos e serviços nacionais traz potenciais ganhos para o país e para operadoras e indústria fornecedora, porém altos requisitos geram desequilíbrio e paralisação. "Exigências não compatíveis com a capacidade de fornecimento do mercado reduzem a atratividade dos projetos, levam a atrasos e postergam ainda mais a geração de receita, renda e emprego no país", destacou Borges.

De acordo com a companhia, um projeto típico do pré-sal conta com investimentos da ordem de US$ 5,5 bilhões, sendo US$ 2 bilhões para perfuração, avaliação e completação, US$ 1,5 bilhão para sistema de coleta de produção e US$ 2 bilhões para plataforma. Desse montante, cerca de US$ 3 bilhões, segundo a Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Petróleo (Abespetro), podem ser contratados no Brasil, de forma competitiva.

A Petrobras destaca como exemplos de conteúdo local competitivo: logística, árvore de natal, equipamento de poço, cabeça de poço, dutos flexíveis, sistema de controle submarino, construção de diversos módulos e integração da unidade. A estatal alega que nas últimas décadas contratou equipamentos e serviços de forma competitiva e sustentável. A empresa cita: árvore de natal molhada, tubos de revestimento e cabeça de poço; umbilicais, linhas flexíveis, manifolds; máquinas e equipamentos para plataformas; além da construção e integração de módulos.

A estatal acrescentou que contar com fornecedores nacionais capacitados e competitivos traz vantagens desde prontidão e agilidade na manutenção de equipamentos até redução de custos de logística e de estoques, hedge cambial e ausência de barreira linguística. A Petrobras defende que o conteúdo local não deve ser entrave para a indústria, mas uma alavanca para melhoria da competitividade, por meio de índices factíveis dentro de regras e critérios menos complexos.

    O mercado de petróleo e gás está vivendo um momento de visível retomada. Com esse cenário, torna-se de extrema importância estar preparado, para conhecer a melhor maneira de conduzir os negócios, ou alavancar sua carreira:

                Fonte: Portos e Navios

                Últimas Notícias
                » TCU aprova condições do acordo de leniência firmado entre a CGU e a SBM Offshore
                » Presidente da Petrobras visita Bacia de Campos e fala de investimentos para os próximos anos
                » Petrobras propõe a funcionários reajuste de 1,73%
                » Brasil deve exigir mais de petroleiras para concessões no Repetro
                » ANP muda proposta para flexibilizar conteúdo local de contrato antigo
                » Divulgar seu currículo no Click Macaé é a maneira mais eficaz da conquistar seu emprego
                » O que o brasileiro pensa de petróleo, petrolíferas e combustíveis
                » México culpa Brasil por fracasso de leilão de petróleo em água profunda
                » Petrobras avaliou 15 mil empresas sob o ponto de vista de compliance
                » Entenda o que é o Comperj
                veja mais notícias »

                Fornecedores
                Fornecedores - Para consultar ou anunciar, clique aqui, de R$240,00 por apenas R$99,90 ao ano, e disponibilize informações sobre seus produtos e serviços para o maior mercado de Petróleo e Gas do país: a Bacia de Campos.

                Siga as últimas novidades do ClickMacaé diretamente no TwitterSiga as últimas novidades do ClickMacaé diretamente no Twitter.


                Curta nossa página no Facebook

                Política de Privacidade | Privacy policy | Publicidade | ContatoDesenvolvido pela SYS Computing