Click Macaé
ClickMacaé.com.br
ClickMacaé.com.br

» A Bacia de Campos

» O Cenário Offshore

» Petróleo e Gás

» Empregos

» Cursos> Fornecedores Offshore> Shopping

» Informações> História do Petróleo> A História no Brasil> A Atividade Offshore no Brasil> As Crises do Petróleo> As Plataformas da Bacia de Campos> A Bacia de Campos em Números> As Reservas da Petrobras> Lei do Petróleo> Licenciamento Ambiental> Marco Regulatório> Petrobras no mundo> Pré-sal> Sobre o Petróleo> Sobre o Gás

» Empregos> Buscar Profissionais para Minha Empresa> Buscar Vaga de Emprego na Área

» Glossário> Terminologia Naval> Terminologia Offshore> Terminologia Offshore Comercial> Glossário e Abreviações

Sampling Treinamentos Curso 24 Horas

Novas regras sobre distribuição de royalties não podem retroagir, diz governo

11 de novembro de 2017

O governo federal defendeu junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) que as mudanças nas regras de distribuição de royalties do petróleo entre União, estados e municípios não podem ser retroativas.

As alterações foram determinadas pela Lei nº 12.734/2012 e ampliaram os beneficiários dos recursos arrecadados das concessionárias de petróleo e gás.

Em ação que foi apresentada no Superior Tribunal de Justiça (STJ) antes do início das novas regras, o município cearense de Itapipoca busca receber os royalties.

Ao analisar o processo do município, o ministro Napoleão Nunes Maia Filho, relator do caso na corte, determinou o retorno da ação à origem para verificar se Itapipoca se enquadra nas novas regras.

O governo contesta o retorno do processo à origem e, por meio da Advocacia-Geral da União (AGU), afirma que não considera ser possível retroagir os efeitos da nova legislação.
“A retroatividade da mudança exigiria recalcular os valores distribuídos nos últimos anos e promover acertos com a devolução de royalties por vários municípios, ‘valores estes sabidamente já utilizados pelos beneficiários para custeio de suas despesas’”, diz a Procuradoria-Geral Federal, órgão da AGU responsável pelo ação.

Segundo a AGU, a mudança na legislação promoveu uma equiparação jurídica entre “pontos de entrega” e “instalações de embarque e desembarque” de petróleo e gás natural para atribuir os mesmos efeitos jurídicos a situações diversas.
“Tal equiparação apenas produz efeitos para o futuro: primeiro, por ser regra o caráter não retroativo das leis, salvo disposição expressa em sentido contrário; e, segundo, por constar da própria lei o verbo no futuro: ‘serão considerados’”, defende o governo.

Fonte: G1

Últimas Notícias
» Petrobras retoma produção em plataforma no campo de Lula, no pré-sal
» Petrobras - como, sendo fornecedor, sua empresa poderá se habilitar a vender para a Companhia
» Reajustes de preços do gás de cozinha passam a ser trimestrais
» Petrobras iniciará novos procedimentos de licitação em fevereiro
» Click Macaé lança treinamento Gestão de Contrato com a Petrobras
» Petrobras paralisa produção em plataforma no campo de Lula após princípio de incêndio
» Petrobras atinge recorde de produção no Brasil pelo quarto ano consecutivo
» Cariacica tem a maior fatia de fundo com recursos dos royalties de petróleo no ES
» Engie vê como opção negócio de infraestrutura de gás da Petrobras, diz CEO
» Odebrecht Óleo e Gás agora se chama Ocyan; empresa busca sócios
veja mais notícias »

Fornecedores
Fornecedores - Para consultar ou anunciar, clique aqui, de R$240,00 por apenas R$99,90 ao ano, e disponibilize informações sobre seus produtos e serviços para o maior mercado de Petróleo e Gas do país: a Bacia de Campos.

Siga as últimas novidades do ClickMacaé diretamente no TwitterSiga as últimas novidades do ClickMacaé diretamente no Twitter.


Curta nossa página no Facebook

Política de Privacidade | Privacy policy | Publicidade | ContatoDesenvolvido pela SYS Computing