Click Macaé
ClickMacaé.com.br
ClickMacaé.com.br

» Contratar Profissional

» A Bacia de Campos

» O Cenário Offshore

» Petróleo e Gás

» Empregos

» Cursos> Fornecedores Offshore> Shopping

» Informações> História do Petróleo> A História no Brasil> A Atividade Offshore no Brasil> As Crises do Petróleo> As Plataformas da Bacia de Campos> A Bacia de Campos em Números> As Reservas da Petrobras> Lei do Petróleo> Licenciamento Ambiental> Marco Regulatório> Petrobras no mundo> Pré-sal> Sobre o Petróleo> Sobre o Gás

» Empregos> Buscar Profissionais para Minha Empresa> Buscar Vaga de Emprego na Área

» Glossário> Terminologia Naval> Terminologia Offshore> Terminologia Offshore Comercial> Glossário e Abreviações

Sampling Treinamentos Curso 24 Horas

Extensão do acordo da Opep força o Brasil a elevar sua competitividade

14 de fevereiro de 2018

Especialistas têm visões divergentes sobre o protagonismo do cartel no controle global de preços, mas concordam que, atualmente, o cenário internacional impacta muito mais o mercado local

Os efeitos globais da extensão do acordo de cortes de produção pela Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep) provocam reações divergentes no mercado. Porém, o cenário atual força o Brasil a melhorar a competitividade.

O acordo, originalmente assinado em 2016, visa reduzir os estoques globais e reequilibrar a oferta e a demanda, provocando aumento no preço do barril. O tratado ainda conta com a participação de outros países produtores, entre eles a Rússia.

Enquanto alguns analistas acreditam que o aumento do consumo mundial tenha fortalecido o cartel, outros enxergam diminuição de seu poder de barganha diante do iminente papel dos Estados Unidos como maior produtor mundial de petróleo.

O especialista em negócios internacionais da Mercator Business Intelligentsia, Matheus Borella, avalia que o mercado financeiro não acreditava que a estratégia teria sucesso e vê a Opep fortalecida após um período de perda de influência.

“O cartel está ganhando força. Recentemente, os países não membros da Opep e fontes de energias renováveis ganharam espaço. Mas a Rússia aderiu aos cortes, o que foi uma grande surpresa. Com o aumento do consumo mundial, a tendência é de aumento nos preços”, analisa.

Já o sócio da área de óleo e gás da KPMG, Anderson Dutra, não vê mais a Opep ditando as regras do jogo. “O custo de produção hoje é um fator mais relevante. O EUA tem um alto poder de barganha e viabiliza diversos projetos de petróleo de xisto. O impacto do acordo não veio como esperado”.

O também especialista em negócios internacionais da Mercator Business Intelligentsia, Jorge Mortean, explica que após viver um período de bonança na década passada, a Opep passou por dificuldades. “O preço do petróleo era alto e havia demanda. O Ocidente começou a buscar fontes alternativas de energia e menor dependência de petróleo. Com a crise mundial, o cartel perdeu algum poder de barganha”.

Entre 2014 e 2016, a Opep havia elevado a produção num esforço para barrar o enorme crescimento de petróleo de xisto produzido no EUA. A estratégia funcionou, mas também causou danos às economias dos países produtores.

O último relatório mensal da Opep mostra que a oferta mundial de petróleo cresceu a uma média de 97,4 milhões de barris por dia (bpd) em dezembro, 0,83 milhões de bpd a mais que um ano antes. Em países não membros, o crescimento anual estimado é de 0,77 milhões de bpd, incluindo a oferta de gás natural líquido, chegando a uma média de 57,79 milhões bpd.

O valor médio anual do Brent em 2017 foi de cerca de US$ 54,4 por barril. Para 2018, a projeção é de US$ 61,19. Porém, a cotação pode ser maior caso os cortes de produção persistam além de 2018. “É possível que a média dos preços para este ano cresça ainda mais”, diz o analista de petróleo e gás da Tendências Consultoria, Walter Vitto.

Declarações recentes de dirigentes dos membros da Opep apontam para a extensão do acordo para o fim do 1º semestre de 2019. “O cenário aponta a um Brent máximo de US$ 70”, projeta Dutra.

Impacto no Brasil
Analistas concordam que o cenário força o Brasil a buscar mais competitividade e redução do custo da produção.

“Isso ocorre através de uma agenda regulatória eficiente, estabilidade política e planejamento”, afirma Dutra. “Éramos um País de alto custo de produção, mas isso já foi alterado”. Segundo ele, em 2017 a Petrobras anunciou a redução do custo de extração no pré-sal para menos de US$ 7 por barril. “O Brasil está ganhando market share global”, diz Vitto.

O boletim mensal da Agência Nacional do Petróleo (ANP) aponta que, em dezembro, a produção de petróleo e gás no pré-sal atingiu, pela primeira vez na história, mais da metade da produção nacional.

O volume anual de petróleo foi de 957 milhões de barris, 4% superior em relação a 2017.

Também em 2017, a estatal passou a adotar uma nova política de preços que segue a lógica do mercado internacional. “Antes os preços eram pautada pela inflação e políticas internas”, explica Borella.

Como consequência, a variação de preço provocada pelo acordo da Opep reflete diretamente no Brasil.

Fonte: Diário Comércio, Indústria e Serviços

Últimas Notícias
» Ranking da CGU coloca Macaé mais uma vez em destaque na transparência
» Royalties para quem?
» Xisto dos EUA vira refúgio do setor frente a queda do petróleo
» Petroleiras projetam 2019 positivo apesar de queda de preço
» EAS obtém prioridade do FMM para construção de 2 porta-contêineres
» Precisa-se de instrutor para Treinamento Online 'Técnicas de Almoxarifado'
» Precisa-se de Instrutor para Treinamento Online 'Gestão de Contrato com a Petrobras'
» Empresas chinesas já investiram US$ 55 bilhões no Brasil em 10 anos
» Firjan defende diversificação de negócios e interação entre políticas públicas para reanimar indústria naval do Rio
» FMM prioriza R$ 2,54 bilhões em novos projetos da construção naval
veja mais notícias »

Fornecedores
Fornecedores - Para consultar ou anunciar, clique aqui, de R$240,00 por apenas R$99,90 ao ano, e disponibilize informações sobre seus produtos e serviços para o maior mercado de Petróleo e Gas do país: a Bacia de Campos.

Siga as últimas novidades do ClickMacaé diretamente no TwitterSiga as últimas novidades do ClickMacaé diretamente no Twitter.


Curta nossa página no Facebook

Política de Privacidade | Privacy policy | Publicidade | ContatoDesenvolvido pela SYS Computing