Click Macaé
ClickMacaé.com.br
ClickMacaé.com.br

» Contratar Profissional

» A Bacia de Campos

» O Cenário Offshore

» Petróleo e Gás

» Empregos

» Cursos> Fornecedores Offshore> Shopping

» Informações> História do Petróleo> A História no Brasil> A Atividade Offshore no Brasil> As Crises do Petróleo> As Plataformas da Bacia de Campos> A Bacia de Campos em Números> As Reservas da Petrobras> Lei do Petróleo> Licenciamento Ambiental> Marco Regulatório> Petrobras no mundo> Pré-sal> Sobre o Petróleo> Sobre o Gás

» Empregos> Buscar Profissionais para Minha Empresa> Buscar Vaga de Emprego na Área

» Glossário> Terminologia Naval> Terminologia Offshore> Terminologia Offshore Comercial> Glossário e Abreviações

Sampling Treinamentos Curso 24 Horas

Certificação mais rígida para conteúdo local deve reduzir número de empresas

7 de março de 2018

Termina em junho o prazo para que as empresas de certificação de conteúdo local estejam de acordo com as novas exigências estabelecidas pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). A principal mudança é que, a partir dessa data, as certificadoras precisarão apresentar o Certificado de Acreditação de Organismo de Certificação de Produto (OCP) junto ao Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). Sem esse selo, a instituição ficará impedida de realizar a certificação.

De acordo com a ANP, das 23 certificadoras acreditadas pela autarquia hoje, apenas três possuem o certificado de OCP do Inmetro. Uma quarta empresa que possui o documento do instituto está em fase de validação da acreditação na agência petrolífera.

Apesar da queda do número de empresas que estarão aptas a realizar a certificação de conteúdo local a partir do segundo semestre deste ano, a ANP não vê risco ao atendimento da demanda do setor. "A ANP entende que as empresas acreditadas conseguirão atender adequadamente a demanda pela emissão de certificados de conteúdo local", informou a autarquia em nota.

A agência também descartou qualquer possibilidade de estender o prazo para que as certificadoras atendam as novas exigências. "Os organismos de certificação tiveram dois anos para se adaptar à nova regra", completou.

As novas condições para a realização da certificação de conteúdo local entrarão em vigor em um momento movimentado do setor, em que a própria ANP está discutindo a proposta de mudança das metas de conteúdo local de contratos de concessão antigos e o Congresso se depara com um projeto de lei sobre o estabelecimento de uma política de conteúdo local, com percentuais definidos em lei, e não pelo Ministério de Minas e Energia.

Segundo a ANP, as discussões sobre percentuais de conteúdo local e as novas exigências para as certificadoras são "assuntos distintos".

Para Elmar Mourão, gerente técnico da BRA Certificadora, uma das empresas que já possuem acreditação pela ANP e o Inmetro, as novas exigências vão melhorar o padrão de qualidade do serviço e elevar a credibilidade do setor.

"No início, não havia uma metodologia de certificação. Então, existiam empresas de contabilidade, escritórios de advocacia, que se credenciaram. Na verdade, [a certificação de conteúdo local] é uma mistura de certificação e de legislação, mas é fundamental que a certificadora tenha conhecimento da área técnica de petróleo, para que a interpretação não fique apenas no 'juridiquês', e sim se estenda para a parte de execução técnica", disse ele.

Assim como a ANP, Mourão também entende que as certificadoras que estão aptas a atuar a partir de junho terão condições de atender a demanda do setor. Entre os clientes da BRA estão petroleiras como Repsol, Statoil e Chevron e grandes fornecedores da cadeia de óleo e gás, como a Schlumberger.

Especializada em certificações diferenciadas, consideradas "premium", a BRA desenvolveu um programa de certificação de sistemas de gestão anticorrupção no Brasil. Segundo o diretor executivo da companhia, Tiago Martins, o mercado de certificações na área de compliance deve ter crescimento expressivo nos próximos dois anos.

"Em 2015, percebemos a movimentação e a necessidade do mercado. Adotamos a estratégia de fazer um investimento pesado em algo diferenciado", afirmou o executivo. Segundo ele, o programa contempla as principais leis anticorrupção do mundo.

IMPORTANTE PARA A EMPRESA, OU PARA O PROFISSIONAL:

Negócios, e empregos, têm transformado 2018 em um ano ESPETACULAR

Matricule-se em  nossos TREINAMENTOS ONLINE ou PRESENCIAIS, no setor de óleo e gás, e não fique de fora da retomada do setor.

O Click Macaé Cursos agora é credenciado pela ABED (Associação Brasileira de Educação a Distáncia)

Introdução ao Conteúdo Local de Petróleo e Gás Natural - online

Fonte: Valor

Últimas Notícias
» 5ª rodada do pré-sal se torna prioridade para as petroleiras
» Repsol Sinopec Brasil apresenta novas tecnologias para offshore na Rio Oil & Gas 2018
» Laboratórios criam âncora de poliéster e robô submarino para setor de petróleo
» Petrobras vê salto na produção de petróleo em 2019 e corte de US$10 bi na dívida
» ANP aprova inscrição de três novas empresas para a oferta permanente
» Arrecadação com royalties do petróleo cresce 62% no ano
» Petrobras quer elevar produção de petróleo em até 10% em 2019, diz diretor
» Aker Solutions fecha contrato com a Petrobras para manutenção em nove plataformas
» Tecnologia torna o pré-sal a principal fronteira petrolífera do mundo
» União deve ter que pagar Petrobras em espécie pela revisão da cessão onerosa
veja mais notícias »

Fornecedores
Fornecedores - Para consultar ou anunciar, clique aqui, de R$240,00 por apenas R$99,90 ao ano, e disponibilize informações sobre seus produtos e serviços para o maior mercado de Petróleo e Gas do país: a Bacia de Campos.

Siga as últimas novidades do ClickMacaé diretamente no TwitterSiga as últimas novidades do ClickMacaé diretamente no Twitter.


Curta nossa página no Facebook

Política de Privacidade | Privacy policy | Publicidade | ContatoDesenvolvido pela SYS Computing